O.S. QUE ADMINISTRA O HUGO PEDE CANCELAMENTO DE CONTRATO COM O ESTADO DE GOIÁS
05/11/2018 14:38 em Política & Economia

O Instituto GERIR - Organização Social (O.S) que administra o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) e o Hospital Estadual de Urgências de Trindade Walda Ferreira dos Santos (Hutrin), decidiu devolvê-los para a Secretaria Estadual de Saúde (SES) por falta de recebimento dos repasses devidos pelo governo do estado de Goiás que já ultrapassam R$ 40 milhões de reais, só no caso do HUGO e mais de R$ 280 milhões considerando as outras O.S. que administram Materno Infantil, Hemocentro, Crer. 

O governo de Goiás, na gestão de Marconi Perillo (PSDB), terceirizou a administração das suas unidades de saúde para as Organizações Sociais (OS) em 2012, mediante contratos milionários, desde então, o Sindicato dos Trabalhadores(as) do Sistema Único de Saúde no Estado de Goiás (Sindsaúde/GO) vem alertando para os problemas que poderiam acontecer e, aconteceram. 

O Hugo estampou durante o mês de outubro/novembro (2018) capas de jornais e matérias em tvs e rádios com manchetes mostrando que a principal unidade de atendimento de urgências do estado não tinha luvas, lençol, lavanderia, remédios, comida e condições de atender aos pacientes. Servidores ficaram sem salários e fizeram greves.

Posicionamento do SINDSAÚDE GOIÁS

O momento é de muita insegurança para os trabalhadores. Mais de mil funcionários contratados pelo Instituto Gerir estão se perguntando quem vai pagar suas rescisões contratuais.

O momento é delicado para pacientes e seus familiares e temos que pensar nestas pessoas pois saúde é um direto do cidadão.

O Sindsaúde é contra a terceirização da saúde, esse modelo de gestão é caro e ineficiente. O que precisa haver é o investimento mínimo de 12% do orçamento em saúde e que o estado reassuma suas unidades com servidores comprometidos com a vida e com um SUS que atenda à população com dignidade.

COMENTÁRIOS