06 acusados de desviar dinheiro do IMAS são indiciados pela Justiça
15/04/2019 19:42 em Cidadania

Justiça recebeu, na quinta-feira (11), a denúncia feita pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) contra seis (06) acusados de desviar dinheiro do plano de saúde dos servidores do município de Goiânia - Instituto de Assistência à Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (Imas) por meio de procedimentos médicos não realizados (falsos) em uma clínica de fachada. 

O Juiz Juiz Alessandro Pereira Pacheco (4ª Vara Criminal de Goiânia) entendeu que as investigações do (MP-GO) apontam que “há indícios de que o grupo formava uma organização criminosa para desviar recursos” do IMAS e que o presidente afastado do instituto, Sebastião Peixoto, está entre os denunciados.

 

INVESTIGAÇÃO

O MP-GO iniciou as investigações em junho de 2018, quando servidores começaram a denunciar registros de procedimentos médicos e exames em seus cadastros pessoais anotados pelo IMAS que nunca foram realizados pelos verdadeiros beneficiários do plano, os servidores e seus familiares.

O órgão apurou que essas consultas e exames eram lançadas e cobradas do plano com uso de documentos falsos, em uma clínica de fachada, que tinha convênio com o Instituto, mas que pertenceria a membros da suposta organização criminosa.

***A Prefeitura de Goiânia informou que ainda não foi notificada.

 

DENUNCIADOS

 

·         Sebastião Peixoto (presidente afastado) - denunciado por organização criminosa e peculato

 

·         Carlos Henrique (ex-diretor de Saúde) -  denunciado por organização criminosa, uso de documento falso por oito vezes, falsidade ideológica por 17 vezes, e peculato por duas vezes

 

·         Luiza Ribeiro Fernandes (advogada)  - denunciada por organização criminosa, falsidade ideológica e peculato

 

·         Ulisses Luís Dias (médico)  - denunciado por organização criminosa e peculato

 

·         Glaydson Jerônimo da Silva (médico)  - enunciado por organização e peculato

 

·         Fernanda Hissae Ribeiro Yamada (médica) - denunciada por organização e peculato

 

O que dizem os advogados de defesa 

(Postado por Redação DM ON LINE -  em 14 de abril de 2019 às 19h00)

 

Por meio de nota, o advogado de Carlos Henrique informou que os supostos crimes “nunca trouxeram um único centavo de prejuízo ao erário público, graças à ação voluntária” do cliente dele, que “cancelou as guias em relação às quais pesavam dúvidas”. Também de acordo com o texto, o investigado teria pedido “antes do recebimento da denúncia, lhe fosse permitido indenizar a administração”, mas a solicitação foi negada.

Já Caio Teixeira, representante de Glaydson, defende que a inocência do cliente “será provada com tranquilidade”. Ele disse ainda que o “nome do mesmo foi usado indevidamente sem seu conhecimento. Temos o compromisso com a ética e profissionalismo médico”.

O advogado Carlos Márcio Rissi Macedo afirma também que Fernanda inocente. “Ela também é vítima, teve sua assinatura falsificada pelo marido e está disposta a esclarecer todos os fatos. Não há participação dela em qualquer esquema ou associação para desviar recursos do Imas. Confiamos no Poder Judiciário e temos a certeza que, ao final, a verdade prevalecerá, com a absolvição da doutora Fernanda”.

Ainda não foram identificados os advogados de Luiza e Ulisses para também pedir um posicionamento sobre o caso.

 

Foto: MPGO

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!