Governo Autoriza Reajuste dos Planos de Saúde em + 7,35%
24/07/2019 11:33 em Política & Economia

Os idosos serão os mais penalizados com este novo reajuste de 7,35%, pois pagam valores percentuais bem acima de quem tem menos idade, e muitos deixarão os planos e passarão para o SUS.

Um idoso de 60 anos paga, em média, entre R$600 a R$ 1.000 reais/mês, em um plano de saúde mais completo, sem contar as coparticipações financeiras em procedimentos médico-hospitalares. 

O reajuste anual dos planos individuais e familiares com aniversário entre maio de 2019 e abril de 2020 foi anunciado nessa terça (23) pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). 

A inflação anual, no mesmo período, ficou em 3,75% (IPCA). Em 2018 os planos de saúde foram reajustados em 10% e se tornam, cada vez mais, um produto caro e acima da capacidade de consumo da população.

 

ATENÇÃO CONSUMIDOR

O detentor de contrato com operadoras de planos de saúde deve observar se o reajuste aplicado será igual (ou inferior) a esse limite (7,3%) e se a cobrança do aumento será feita a partir do mês de aniversário (assinatura) do contrato.  

 

A NOVA METODOLOGIA

A ANS mudou a metodologia do cálculo que define o limite do reajuste, após oito anos de estudos e discussões com o setor e a sociedade. Pela primeira vez, a agência combinou o Índice de Valor das Despesas Assistenciais (IVDA), calculado por ela própria, com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), sem o subitem plano de saúde. O IPCA é o indicador oficial que mede a inflação na economia brasileira e é divulgado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O IVDA mede a variação dos custos com atendimento aos beneficiários de planos de saúde e tem peso de 80% nessa nova metodologia da ANS. Já o IPCA (sem o subitem planos de saúde) tem peso de 20% e serve para considerar os custos das operadoras com despesas de outras naturezas, como as administrativas. 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!