fbpx
Rescisão Indireta por Adoecimento Ocupacional: Seus Direitos e Passos

Rescisão Indireta por Adoecimento Ocupacional: Seus Direitos e Passos

Rescisão Indireta por Adoecimento Ocupacional: conheça seus direitos e como proceder.

Quando falamos sobre rescisão indireta por adoecimento ocupacional, referimo-nos a determinado direito do trabalhador que sofre com doenças causadas pelo ambiente de trabalho. Este artigo explora a rescisão indireta, adoecimento ocupacional, e como proceder nessa situação. Continue lendo para entender melhor seus direitos e as ações necessárias.

O Que é Rescisão Indireta e Como Funciona

A rescisão indireta ocorre quando um funcionário encerra o contrato de trabalho devido a faltas graves cometidas pelo empregador. Essa forma de rescisão é semelhante a uma demissão por justa causa, mas a iniciativa parte do empregado. No caso de adoecimento ocupacional, o empregado pode solicitar a rescisão indireta se o ambiente de trabalho ou as condições oferecidas pelo empregador causarem dano à sua saúde.

Para que a rescisão indireta seja válida, o funcionário deve comprovar que o empregador cometeu infrações previstas na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), tais como: exposição a riscos sem a devida proteção, falta de fornecimento de equipamentos de segurança, ou ambiente de trabalho insalubre que provoca o adoecimento.

O trabalhador que busca a rescisão indireta por adoecimento ocupacional deve documentar todas as situações de risco, laudos médicos que comprovam o impacto na saúde, e eventuais comunicações feitas ao empregador sobre os problemas enfrentados. Esses documentos são cruciais para um eventual processo judicial, onde o empregado precisará provar a negligência do empregador.

Ao formalizar o pedido de rescisão indireta, é recomendado que o funcionário busque orientação jurídica para garantir que todos os passos sejam seguidos corretamente. Isso inclui notificar o empregador formalmente sobre a rescisão, explicando os motivos detalhadamente, e guardar uma cópia dessa comunicação.

Além disso, o funcionário tem direito a todos os benefícios assegurados em uma rescisão involuntária, como aviso prévio indenizado, saque do FGTS, multa de 40% sobre o saldo do FGTS, seguro-desemprego e férias proporcionais. Assim, ao ser confirmada a rescisão indireta, o trabalhador não sofre perdas financeiras decorrentes do rompimento do contrato.

Adoecimento Ocupacional: Principais Causas e Impactos

Principais Causas do Adoecimento Ocupacional

O adoecimento ocupacional é causado por uma série de fatores no ambiente de trabalho. Um dos mais comuns é a exposição a agentes químicos, que pode ocorrer em fábricas, laboratórios e até mesmo em empresas de limpeza. Esses agentes podem causar doenças respiratórias, dermatológicas e até neurológicas.

Outro fator significativo é o trabalho repetitivo. Movimentos constantes e repetitivos sem pausas adequadas podem levar a lesões como a síndrome do túnel do carpo e tendinites. Trabalhadores em linhas de montagem e escritórios são os mais afetados por essas condições.

A pressão psicológica no ambiente de trabalho é outro gatilho comum. Altas expectativas, prazos apertados e a necessidade constante de aumentar a produtividade podem resultar em estresse, ansiedade e depressão.

Impactos do Adoecimento Ocupacional

Os impactos do adoecimento ocupacional são profundos tanto para os funcionários quanto para as empresas. Para o trabalhador, as doenças podem levar à necessidade de afastamento médico prolongado, perda de renda e, em casos mais graves, incapacidade permanente.

Para as empresas, a diminuição da produtividade é uma das consequências imediatas. Além disso, os custos com tratamentos médicos, indenizações e substituições de funcionários adoecidos podem ser altos. O clima organizacional também pode ser afetado negativamente, aumentando a rotatividade de funcionários.

Passos para Requerer a Rescisão Indireta por Adoecimento

Para requerer a rescisão indireta por adoecimento ocupacional, o trabalhador deve seguir alguns passos fundamentais. Primeiro, é essencial reunir todas as evidências que comprovem o vínculo entre o trabalho e a doença. Isso inclui atestados médicos, laudos periciais e relatórios de acompanhamento.

Após coletar os documentos, o próximo passo é informar a empresa sobre a situação. O trabalhador deve fazer isso por meio de uma notificação formal, preferencialmente por escrito, detalhando os motivos do pedido de rescisão e anexando as provas documentais.

Importante: Muitas vezes, é recomendável buscar orientação de um advogado especializado em direito trabalhista nesta fase, garantindo que todas as formalidades sejam cumpridas corretamente.

Além disso, o trabalhador pode registrar uma reclamação junto ao sindicato da categoria, que poderá prestar suporte e orientação adicional. Manter um histórico de queixas formadas ao longo do tempo também pode fortalecer o caso.

Finalmente, é possível ingressar com uma ação na Justiça do Trabalho, onde todos os documentos reunidos serão apresentados para análise do juiz. Este decidirá se a rescisão indireta é procedente e quais os direitos que o trabalhador deverá receber.

Seguindo esses passos, o trabalhador estará mais preparado para requerer a rescisão indireta por adoecimento ocupacional de maneira eficaz e justa.