fbpx
Saiba como agir em caso de rescisão indireta do contrato de trabalho

Saiba como agir em caso de rescisão indireta do contrato de trabalho

Saiba como agir em caso de rescisão indireta do contrato de trabalho corretamente.

Entender como agir em caso de rescisão indireta do contrato de trabalho é crucial para garantir seus direitos como trabalhador. Neste artigo, vamos explicar claramente o que é a rescisão indireta, os passos essenciais para se preparar para essa situação e quais são seus direitos.

O que é rescisão indireta e como ela funciona

A rescisão indireta é uma modalidade de término do contrato de trabalho que pode ser provocada pelo empregado quando há faltas graves cometidas pelo empregador. Esse tipo de rescisão é também conhecido como ‘justa causa’ do empregador. Aqui, invertem-se os papéis, sendo o funcionário a parte prejudicada e, portanto, a parte que decide pela quebra do contrato.

Para que a rescisão indireta seja validada, é necessário que o trabalhador consiga provar judicialmente as faltas cometidas pela empresa. Exemplos de motivos que podem justificar a rescisão indireta incluem:

  • Reiteradas falhas no pagamento de salários ou benefícios;
  • Assédio moral ou sexual por parte de superiores ou colegas de trabalho;
  • Condições inseguras e insalubres de trabalho;
  • Alteração unilateral e prejudicial do contrato de trabalho.

Quando o empregado decide pela rescisão indireta, ele deve reunir evidências e testemunhas que comprovem as infrações cometidas pela empresa. Assim, é fundamental documentar todas as ocorrências, de forma que o juiz possa avaliar a situação com base em provas concretas.

Ao validar uma rescisão indireta, o trabalhador terá direito a receber todas as verbas rescisórias de uma dispensa sem justa causa, incluindo:

  • Saldo de salário;
  • Férias proporcionais acrescidas ao terço constitucional;
  • 13º salário proporcional;
  • Multa de 40% sobre o saldo do FGTS;
  • Liberação do saldo do FGTS;
  • Aviso prévio indenizado;
  • Seguro-desemprego, se aplicável.

Compreender o que é rescisão indireta e como ela funciona é crucial para que o trabalhador possa se proteger dos abusos do empregador e buscar seus direitos de maneira apropriada.

Passos essenciais para se preparar para a rescisão indireta

A rescisão indireta pode ser um processo complexo, mas seguir os passos corretos pode garantir seus direitos como trabalhador. Documentação é crucial: reúna todos os documentos que comprovem as violações contratuais cometidas pelo empregador. Isso inclui e-mails, mensagens, testemunhos de colegas e qualquer outra prova que evidencie os problemas enfrentados.

Em paralelo, registre formalmente com o RH ou sindicato as queixas sobre as irregularidades. Esse registro é essencial para demonstrar que você tentou resolver as questões internamente antes de recorrer à rescisão indireta.

Outra etapa importante é consultar um advogado trabalhista. Ele pode oferecer orientações jurídicas específicas para o seu caso e ajudar a construir um dossiê sólido contra o empregador.

Além disso, mantenha um registro diário de todas as situações de assédio, mudanças de função sem aviso prévio ou atraso de pagamentos. Esse diário pode servir como prova adicional no tribunal.

Avalie a possibilidade de testemunhos de colegas de trabalho para reforçar sua reclamação. Escolha pessoas de confiança que estejam dispostas a depor a seu favor.

Direitos do trabalhador na rescisão indireta

Direitos do trabalhador na rescisão indireta são essenciais para garantir proteção ao empregado que passa por abusos ou descumprimentos contratuais por parte do empregador. A rescisão indireta é uma forma de rescisão de contrato promovida pelo trabalhador, devido a faltas graves cometidas pela empresa.

Ao ser caracterizada a rescisão indireta, o trabalhador tem direito a receber todas as verbas rescisórias como se tivesse sido demitido sem justa causa. Isso inclui:

  • Saldo de salário: quantia referente aos dias trabalhados até a data da rescisão;
  • Aviso prévio: indenização substitutiva do período de aviso;
  • Férias proporcionais e vencidas: incluindo o adicional de um terço;
  • 13º salário proporcional: pagamento referente aos meses trabalhados no ano;
  • Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS): saque do valor total depositado durante o período de trabalho;
  • Multa de 40% do FGTS: sobre o montante já depositado;
  • Seguro-desemprego: desde que preenchidos os requisitos legais.

Além desses direitos, o trabalhador pode pleitear na Justiça do Trabalho eventuais danos morais e materiais decorrentes do comportamento irregular da empresa. Recomenda-se reunir provas sólidas, como documentos, testemunhas e outros registros, para fundamentar a rescisão indireta, aumentando as chances de reconhecimento judicial.